Newsletter Facebook

Publicado em:
3
10/2017

Diretor-presidente da Jetro visita Asian & Seafood Show

Atsushi Okubo veio à feira divulgar o Wagyu, carne nobre do Japão, que foi um dos maiores destaques desta edição.

O diretor-presidente da Jetro, Atsushi Okubo, visitou a Asian & Seafood Show no segundo dia da feira, 2 de outubro. A Jetro é a organização oficial de comércio exterior e investimentos do Japão, vinculada ao METI - Ministério da Economia, Comércio e Indústria. O órgão conta atualmente com uma rede de 73 escritórios espalhados em 55 países, bem como com mais 46 escritório no Japão.

Tendo em vista o crescimento da gastronomia asiática no Brasil e dentro de seu papel de promover as exportações do Japão, a Jetro vem realizando uma série de ações para estreitar as relações e fomentar os negócios entre empresas japonesas e brasileiras.

Entre as ações de promoção estão reuniões de networking e participação em feiras brasileiras para reforçar a presença dos produtos daquele país no mercado brasileiro. Atsushi Okubo elogiou o Asian & Seafood Show. "A feira é importante porque quando pensamos em matérias-primas e quase tudo que se refere à gastronomia asiática, encontramos aqui. Esperamos que ela cresça cada vez mais", disse.

Wagyu

O diretor-presidente da Jetro veio à feira para divulgar o Wagyu, um dos destaques da Asian & Seafood Show deste ano. Considerada uma carne nobre, saborosa e uma das mais caras do mundo, teve sua importação liberada para o Brasil recentemente.

Na feira, o Wagyu foi trazido pela Ito Ham/Sankyo Meat, onde ficou exposta e foi oferecida como degustação para os visitantes. A carne foi também estrela de uma aula-show especial promovida pelo chef Shin Koike, embaixador da Difusão da Culinária Japonesa no Brasil e embaixador da Boa Vontade da Culinária Japonesa.

Atsushi abriu a aula-show com uma breve apresentação do Wagyu. Segundo ele, a intenção não é substituir o gado que vem sendo criado no Brasil nem o importado de países como Austrália, mas sim oferecer ao mercado brasileiro mais uma opção.

Em seguida, Toru Kijima, do Japan Livestock Products Export Promotion Council, apresentou uma palestra em que demonstrou os diferenciais do Wagyu legítimo criado no Japão.

Ele destacou, entre outros aspectos, o fato de que o chamado "gado preto" é criado de forma exclusiva no Japão, com uma média de 40 a 50 cabeças por fazenda. A carne tem uma série de controles que garantem sua qualidade, como um registro de linhagem atribuído a cada bezerro, o rastreamento do nascimento ao abate e até a chegada nos pontos de venda, e um sistema de classificação de qualidade feito por um órgão independente e especializado.

Atendidas essas exigências, a carne de Wagyu recebe um selo de autenticidade que garante a qualidade. Por meio de um código de barra na embalagem, é possível consultar na internet todo o histórico da carne processada.

A dieta de baixa caloria e a engorda lenta do gado garantem uma carne macia, "marmorizada" (fibras musculares unidas e finas, intercaladas por pouca gordura), com boa aparência e aroma, saborosa e fonte de bom colesterol.

Por fim, o chef Shin Koike preparou diferentes tipos de prato com o Wagyu, detalhando cada etapa do processo e seu resultado. A audiência foi presenteada com a degustação dos pratos Niguiri de Wagyu e o Seiro Mushi.

Fonte: Primeira Página